O que é a alergia ao sol e quais são os seus sintomas?

, ,
Alergia ao sol

Existe a alergia ao sol? Pensas que sofres dela? A verdade é que a chegada do verão não é sinónimo de dias felizes e despreocupados para todos. Enquanto muitas pessoas se bronzeiam na praia, entre 10 a 20% da população sofre de desconforto e distúrbios resultantes da exposição prolongada à luz solar. Quem tem intolerância ao sol pode desenvolver sintomas negativos em qualquer espaço exterior. Uma simples caminhada pode ser suficiente para que os efeitos da radiação ultravioleta se tornem aparentes na sua pele. Estas pessoas sofrem do que é popularmente conhecido como alergia ao sol, uma condição conhecida em termos médicos como fotodermatose.

O que é a alergia ao sol?

Alergia ao sol é o nome dado a uma série de doenças causadas por uma resposta anormal do sistema imunitário à luz solar. Manifesta-se através de reações na pele como erupções cutâneas, vermelhidão, prurido ou bolhas. As patologias mais comuns incluem o seguinte.

  • Fotodermatose: Este é o termo que engloba a grande maioria das doenças causadas pela fotoexposição. Em muitos casos, é identificado através de borbulhas por alergia ao sol que aparecem quando as temperaturas começam a subir. No entanto, engloba muito mais doenças cutâneas.
  • Erupção de luz polimórfica: Este é um tipo de fotodermatose que afeta principalmente as mulheres jovens. A radiação solar, combinada com fatores hormonais, causa pequenas pápulas nas áreas mais expostas da pele. Em geral, a erupção de luz polimórfica desaparece em poucos dias sem necessidade de qualquer tipo de tratamento.
  • Urticária solar: Ocorre após exposição à luz solar em zonas da pele que normalmente não estão em contacto direto com a luz solar. Carateriza-se por erupções cutâneas semelhantes às bolhas e picadas de insetos.
  • Dermatoses fotoagravadas: São doenças cutâneas pré-existentes que são agravadas pela radiação ultravioleta.
  • Reações de fotossensibilidade: A ingestão de certos medicamentos, combinada com os efeitos do sol, pode causar alterações na pele.

Sintomas da alergia ao sol

O aspeto da pele afetada pela alergia ao sol varia de acordo com as especificidades de cada patologia. Os sintomas podem aparecer após alguns minutos de exposição aos raios solares ou horas mais tarde. Apresentamos a seguir algumas das reações alérgicas mais comuns.

  • Eritema ou vermelhidão: É o resultado de um processo imunológico ou inflamatório. Na maioria das vezes, deve-se a uma acumulação irregular de células.
  • Comichão na pele ou prurido: Isto pode ocorrer mesmo que a pele não apresente erupções cutâneas. Não é invulgar aparecer pequenas manchas cor-de-rosa.
  • Bolhas ou vermelhidão: Parecem semelhantes a uma picada de inseto. São pequenas saliências que podem converter-se em manchas cutâneas com relevo.
  • Descamação: Consiste na perda da camada superior da epiderme. É mais comummente causada por queimaduras. A descamação é, na realidade, parte do processo pelo qual o organismo regenera naturalmente a pele danificada.
  • Erupção: É uma erupção cutânea, que se manifesta muitas vezes sob a forma de borbulhas. A área afetada pode chegar a sangrar em casos graves de irritação ou inflamação. A comichão é um dos sintomas mais comuns.
  • Pápulas: São pequenos quistos que aparecem várias horas após a exposição ao sol.
  • Hiperpigmentação: São as chamadas manchas solares na pele, que se devem a uma produção excessiva e desigual de melanina como resultado da radiação solar.

A duração destas erupções cutâneas varia muito. Em casos mais suaves, desaparecem espontaneamente dentro de poucos dias. Perturbações mais graves, por outro lado, requerem um tratamento médico prolongado.

Causas da alergia ao sol

Até agora, não há provas científicas definitivas sobre a razão pela qual algumas pessoas são mais propensas a alergia ao sol. É certo que a exposição prolongada de certas zonas da pele aos raios solares é a causa principal da fotodermatose. No entanto, certos fatores podem também promover a reação imunitária da pele. Por exemplo, a herança genética ou os efeitos secundários de certos medicamentos. É também importante considerar que algumas patologias dermatológicas são agravadas pela ação do sol. Por exemplo, acne, herpes simplex ou dermatite seborreica.

Fatores de risco da alergia ao sol

Como acabámos de ver, as causas das patologias relacionadas com o sol em certas pessoas ainda não são totalmente conhecidas. Como em qualquer alergia, estão envolvidos fatores genéticos e ambientais. É evidente que existe uma relação causa-efeito entre a alergia ao sol e certos fatores condicionantes.

  • Raça: Embora qualquer pessoa seja suscetível à fotodermatose, quem tem pele mais clara é mais propenso a distúrbios cutâneos relacionados com a luz solar. 
  • Predisposição genética: Se houver mais casos de alergia ao sol na família, as hipóteses de sofrer desta patologia multiplicam-se. 
  • Exposição a substâncias: O contacto com alguns produtos químicos, perfumes e até mesmo certos protetores solares pode promover a fotossensibilidade. 
  • Ingestão de medicamentos: A interação entre certos medicamentos e a luz solar pode ser muito prejudicial, especialmente no caso de alguns antibióticos e analgésicos. 
  • Padecer de doenças dermatológicas prévias aumenta a probabilidade de ter alergia ao sol.

Como se pode prevenir a alergia ao sol?

A maioria das recomendações para prevenir esta alergia baseia-se no senso comum. São também aplicáveis a qualquer pessoa que deseje evitar os riscos associados à exposição aos raios ultravioletas. Recordemos que o bronzeado não é mais do que uma reação imunitária. A pele defende-se contra a radiação solar através da produção de melanina. Tomar as seguintes precauções é benéfico para a nossa saúde em geral e para a fotodermatose em particular.

  • Evita ficar demasiado tempo ao sol, especialmente entre as 11:00 e as 16:00 horas.
  • Evita os chamados banhos de sol.
  • Usa óculos de sol e põe protetor solar com um fator de proteção elevado durante todo o ano.
  • Presta atenção aos ingredientes dos protetores solares. Contêm frequentemente produtos químicos que promovem a fotossensibilidade.

Diagnóstico e tratamento da alergia ao sol

Para fazer um diagnóstico rigoroso, o dermatologista deve primeiro analisar o historial médico completo do paciente. Este examina então as lesões nas áreas da pele expostas. O exame da distribuição e a morfologia das alterações cutâneas é um aspeto chave do diagnóstico. A forma e a disposição das lesões podem, na maioria dos casos, determinar o tipo de fotodermatose de que o paciente sofre. Outros testes comuns são a biopsia cutânea, o teste de fotossensibilidade e análises ao sangue.

O melhor tratamento é sempre a prevenção. Quando for demasiado tarde, é aconselhável visitar um dermatologista para determinar a gravidade das lesões cutâneas. A aplicação de protetor solar é a melhor forma de tratar reações alérgicas mais leves. Para lesões graves, são normalmente prescritos anti-histamínicos e corticóides. Consumir alimentos ou suplementos que aumentam os níveis de melanina também ajuda.

Alguns dermatologistas também prescrevem a terapia de dessensibilização. Este é um procedimento que envolve a aplicação de doses muito pequenas de radiação ultravioleta à pele para a habituar gradualmente à luz solar.

Creme de farmácia para a alergia ao sol

Embora tendamos a associar os protetores solar ao verão, vimos que é importante proteger a pele durante todo o ano, especialmente as zonas mais afetadas pelos raios solares. Um protetor solar de qualidade é o melhor aliado para prevenir a alergia ao sol e até mesmo para a tratar. Na Atida ǀ Mifarma, queremos ajudar-te a desfrutar do sol sem preocupações. Graças aos produtos da nossa farmácia online, sentires-te bem está agora apenas à distância de um clique.

Na Atida ǀ Mifarma, selecionamos cuidadosamente os produtos que garantem as melhores soluções para o teu bem-estar. Um exemplo disto é uma excelente proposta que te ajudará a resolver muitos dos problemas decorrentes da exposição solar: o creme fotoprotetor Isdin Fusion Water SPF50.

O Isdin Fusion Water é adequado para todos os tipos de pele. Além de proporcionar à pele a hidratação de que necessita, oferece um fator de proteção muito elevado contra a radiação solar. Tem uma textura muito leve. Nutre, regenera e melhora a elasticidade da tua pele. Utiliza-o regularmente e diz adeus às borbulhas de alergia ao sol, vermelhidão, manchas e prurido. Desfruta de uma nova experiência para a tua saúde e bem-estar.

A informação e a prevenção são os nossos melhores trunfos para que a alergia ao sol não ofusque os prazeres e benefícios que o sol também traz. Na Atida ǀ Mifarma, sabemos que a qualidade de vida começa com uma boa saúde. Se quiseres estar sempre atualizado relativamente aos produtos farmacêuticos mais inovadores, eficazes e seguros, convidamos-te a seguir-nos nas nossas redes sociais. Somos a Atida ǀ Mifarma, o destino para o teu bem-estar.

Reme Navarro Escrivá

Farmacêutica e Nutricionista. Licenciada em Farmácia na Universidade de Valencia no ano 2007, Licenciada em Nutrição na mesma universidade em 2009. Dedicada ao mundo da saúde e da farmácia há mais de 15 anos. De reunião em reunião, na Atida eu escrevo este blog sobre temas que considero interessantes para a saúde e cuidado pessoal.

0 comentários

Deixa o teu comentário

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *