Infeção por helicobacter pylori

,
Helicobacter pylori

Dor de estômago e muita azia. Soa familiar? Todos têm um amigo ou familiar, talvez até tu, que sofre destas patologias. Se assim for, em primeiro lugar, o teu médico terá de o diagnosticar, mas é muito provável que sofras de uma infeção por helicobacter pylori. Embora seja uma bactéria fácil de controlar e se apanhada a tempo não causa problemas graves, é uma das mais disseminadas e das que têm maior efeito na população mundial. Continua a ler e descobre tudo o que precisas de saber sobre este bichinho que causa tantos problemas de saúde.

O que é e o que causa a helicobacter pylori?

Embora o corpo humano esteja naturalmente cheio de bactérias benéficas, este não é o caso. A infeção por helicobacter pylori ocorre, geralmente, na infância. A transmissão é geralmente de humano para humano, mas a forma como esta transmissão ocorre não é muito clara. Nos países menos desenvolvidos onde, de facto, a infeção é muito mais comum, é geralmente atribuída ao contacto com fezes ou ao consumo de água contaminada. No caso de países do primeiro mundo, tem mais a ver com a transmissão oral de pessoa para pessoa.

Em qualquer caso, embora seja mais comum ser infetado na infância, pode levar muitos anos até se desenvolverem sintomas da bactéria helicobacter. Pode até acontecer que nunca te afete e nem sequer estejas ciente de que a tens.

Mas o que causa a helicobacter pylori? É uma bactéria em forma de espiral que se agarra às paredes do estômago. Para ela, o ácido estomacal é perigoso, pelo que segrega uma enzima, a urease, que anula os ácidos. Torna-o num ambiente ácido e hostil, tal como o teu estômago, para que possa vaguear livre. Além disso, a sua forma em espiral, como um parafuso, significa que pode penetrar facilmente na mucosa, torná-la frágil e depois proliferar ali.

Enfraquece a mucosa e, além de desconforto, como dor ou ardor, pode causar uma úlcera péptica. Em casos excecionais e mais graves, pode mesmo levar ao cancro.

Quais são os sintomas?

Estima-se que dois terços da população mundial está infetada por helicobacter pylori, mas destas pessoas, apenas cerca de 10% desenvolvem uma úlcera ou problemas mais graves.

Atualmente, ainda não se descobriu porque é que algumas pessoas padecem disto e outras não. Os sintomas variam muito de pessoa para pessoa, no entanto, o sintoma mais comum é uma sensação de abdómen inchado e dorido e, por vezes, com ardor.

Além disso, se desenvolveres uma infeção por helicobacter pylori, os sintomas que podes ter variam de forma vasta, e como se pode ver são muito díspares e mesmo opostos:

  • Dor aguda no abdómen, especialmente quando tens o estômago vazio.
  • Náuseas que, por vezes, levam a vómitos.
  • Sensação de inchaço ou de enfartamento.
  • Perda de apetite.
  • Arrotos.
  • Fome ou sensação de estômago vazio, apesar de teres comido recentemente.

Estes sintomas são mais ou menos suportáveis e muitas pessoas vivem com eles sem consultar o seu médico. Contudo, se notares algum dos seguintes desconfortos, consulta o teu especialista sem hesitação:

  • Dor no abdómen, intensa e contínua.
  • Problemas de deglutição.
  • Fezes com sangue ou pretas.
  • Vómito com sangue.

Estes sintomas da bactéria helicobacter podem ser o resultado de uma complicação causada pela infeção. Como sabes, apenas uma em cada dez pessoas infetadas desenvolve problemas mais graves. Mas quais são estas possíveis complicações?

  • Úlcera péptica. A bactéria, na sua ânsia de viver confortavelmente e num ambiente agradável, tenta entrar na mucosa do estômago. É neste momento que pode fazer uma pequena ferida, produzindo assim uma úlcera. Estas não são exclusivos do estômago, e também podem aparecer no duodeno, que é a parte inicial do intestino.
  • Gastrite. Como as bactérias podem penetrar na mucosa, é possível que ocorra irritação e inflamação da área, produzindo uma gastrite.
  • Cancro do estômago. Sem dúvida, o problema mais grave. A helicobacter pylori pode ser a origem de certos tipos de cancro do estômago.

Diagnóstico: teste da bactéria pylori

Existem vários métodos clínicos para diagnosticar a infeção por helicobacter pylori. A ciência tem melhorado a este respeito e é possível detetá-la através de testes suaves e não invasivos. As outrora endoscopias habituais, também conhecidas como gastroscopias, sendo invasivas e mais desagradáveis para o paciente, têm vindo a ser utilizadas nos casos em que outros testes são inconclusivos.

Análises ao sangue

Um teste simples como uma análise ao sangue para detetar anticorpos é suficiente. Os anticorpos são proteínas geradas pelo organismo para lutar e combater certas bactérias prejudiciais. Se estiverem presentes anticorpos no sangue, significa que a infeção por helicobacter pylori está presente ou já ocorreu.

Esta é precisamente a única desvantagem deste simples teste, que não confirma se a infeção é atual ou se estava presente no passado e já não existe.

Análises às fezes

Os antigénios atualmente tão famosos não são exclusivamente da pandemia e do coronavírus. Este teste procura os antigénios nas fezes. Se houver, significa que o sistema imunitário teve algum tipo de resposta e, portanto, houve um estímulo, ou seja, uma infeção.

Se estiveres a tomar certos medicamentos, como antibióticos ou inibidores da bomba de prótons (como omeprazol), isto deve ser tido em conta, uma vez que pode interferir com o resultado.

Há outro exame às fezes chamado teste de reação em cadeia da polimerase, que não só deteta a infeção, mas também te diz as possíveis mutações da bactéria para que saibas especificamente qual o antibiótico mais apropriado para o seu tratamento. Este é um teste menos comum e mais caro, de facto, não o encontrará em todos os centros de saúde, mas o seu resultado é muito mais definitivo.

Teste ao hálito

Como já sabes, esta bactéria utiliza urease para facilitar o seu trabalho, neutralizando os ácidos estomacais, e é precisamente esta mesma substância que ajuda e é utilizada neste teste de diagnóstico.

O paciente deve beber uma solução com ureia. Quando chega ao estômago, a helicobacter pylori é capaz de a decompor. Se isto acontecer, ou seja, se houver uma infeção, o carbono 13 é libertado, absorvido pelo corpo, passa para o sangue e daí para o hálito.

São recolhidas duas amostras de hálito, a primeira com a toma de ureia e a segunda 20 minutos depois. Se houver vestígios de C13 na segunda amostra, isto indica infeção por helicobacter pylori.

Tratamento da doença

Se te tiver sido diagnosticada infeção por helicobacter pylori, o tratamento que o teu médico te prescreverá consistirá numa combinação de diferentes medicamentos, todos eles necessários para maximizar as hipóteses de sucesso do tratamento.

Primeiro, o teu especialista vai prescrever-te uma combinação de dois antibióticos diferentes. É isto que vai matar a bactéria em si. A prescrição de dois tipos diferentes de antibióticos serve para aumentar a eficácia do tratamento e evitar que a bactéria se torne resistente a algum deles.

Além dos antibióticos, será necessário um protetor de estômago que reduza e acalme os ácidos para, por exemplo, facilitar a cura da úlcera. Neste caso, os inibidores da bomba de prótons são os mais comuns. Também são habituais o omeprazol ou o esomeprazol, entre outros.

O subsalicilato de bismuto também pode ser prescrito como complemento. Embora não seja válido como tratamento autónomo, cobre ambas as funções dos outros medicamentos. Ajuda a combater as bactérias e, ao mesmo tempo, a cicatrizar a mucosa estomacal.

Este tratamento, que geralmente dura entre 10 e 14 dias, deve ser suficiente para acabar com a helicobacter pylori de uma vez por todas, mas se o desconforto continuar, o teu médico pode renovar o tratamento por mais dias, alterando os antibióticos previamente prescritos. O objetivo é evitar que a bactéria se torne resistente aos fármacos.

Alguns especialistas optam por realizar um teste ao hálito após o tratamento para garantir que a bactéria foi erradicada. Outros, porém, confiam que se os sintomas desapareceram, significa que este visitante indesejado também desapareceu.

Tal como o teu médico cuida da tua saúde e faz todo o possível para manter a helicobacter pylori longe, a Atida | Mifarma apenas procura o teu caminho para o bem-estar. Como sempre, queremos que te sintas bem contigo e com o teu corpo, e é por isso que sentires-te bem está apenas à distância de um clique. Visita os nossos canais para obteres informações e esclarecer quaisquer dúvidas que possas ter, porque afinal, estamos aqui para cuidar de ti.

Reme Navarro Escrivá

Farmacêutica e Nutricionista. Licenciada em Farmácia na Universidade de Valencia no ano 2007, Licenciada em Nutrição na mesma universidade em 2009. Dedicada ao mundo da saúde e da farmácia há mais de 15 anos. De reunião em reunião, na Atida eu escrevo este blog sobre temas que considero interessantes para a saúde e cuidado pessoal.

0 comentários

Deixa o teu comentário

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *