Vírus do papiloma humano: tudo o que precisa de saber

, ,
vírus papiloma humano

O vírus do papiloma humano ou HPV é a causa de uma doença que ataca a pele e as membranas mucosas. É muito comum e pode infetar tanto homens como mulheres. Para a sua saúde e bem-estar, é importante que o conheça. Explicar-lhe-emos o que é, as suas possíveis consequências e que tratamentos estão atualmente disponíveis.

O que é?

Aquilo a que chamamos HPV é na realidade uma família de microrganismos virais, constituída por mais de 100. Não possuem envelope e o seu material genético é ADN. Todos podem causar infeções em humanos, e 40 deles são capazes de infetar a área genital em ambos os sexos.

Estes vírus são classificados em dois tipos, alto e baixo risco oncogénico, de acordo com a sua capacidade de produzir alterações malignas nas células epiteliais que infetam. Os HPV de baixo risco são os 6 e 11. Os 16 e 18 são a causa de 70% das lesões pré-malignas e dos cancros cervicais e são, portanto, considerados de alto risco

Quem pode contrair o vírus papiloma humano?

O HPV é a infeção sexualmente transmissível mais disseminada e comum, ou DST, entre os seres humanos. O vírus do papiloma humano está entre as 5 doenças sexualmente transmissíveis mais comuns

Estima-se que mais de 80% das pessoas sexualmente ativas, homens e mulheres, a tenham contraído em algum momento das suas vidas. Além disso, as reinfeções causadas pela reexposição ao microrganismo são frequentes.

No entanto, é também transmitida de pele com pele, pelo que o contacto social pode ser uma fonte de infeção. Nestes casos, a infeção ocorre quando alguém com pele lesionada toca nas lesões de uma pessoa infetada sem proteção adequada. A auto-inoculação do vírus também é possível, por exemplo, ao roer as unhas.

Em conclusão, todos os tipos de HPV podem ser encontrados em qualquer pessoa, independentemente da idade ou de serem ou não sexualmente ativos.

Como se transmite o vírus e quando podemos ser infetados?

Esta doença é transmitida principalmente pelo contacto direto da pele ou mucosa com as lesões de outra pessoa, que são contagiosas. Por esta razão, uma das formas mais frequentes de contágio é o contacto sexual em qualquer das suas formas: vaginal, oral ou anal. Pode mesmo acontecer quando não há penetração.

É muito importante ter em mente que algumas infeções são assintomáticas, nas quais as verrugas não aparecem ou não são evidentes. Contudo, as pessoas infetadas assintomáticas podem transmitir o vírus da mesma forma que as pessoas que apresentam lesões. Noutros casos, as infeções surgem vários anos após o contacto. Por outro lado, o HPV pode ser transmitido para o bebé ao nascer se a mãe estiver infetada na zona genital.

O risco de adquirir este vírus depende de uma série de fatores. Aumenta se o número de parceiros sexuais for elevado, com a idade, com a presença de erosões cutâneas ou com um sistema imunitário deficiente.

Sintomas e Tratamento

Em 80 % das infeções por HPV são causadas por microrganismos que não causam alterações malignas nas células. São geralmente assintomáticas e não causam quaisquer problemas. Nestes casos, o vírus permanece nas camadas mais exteriores da pele ou das mucosas até ser eliminado pelo organismo.

Nestes casos, não há lesões, embora a capacidade de infetar outras pessoas continue a existir. No entanto, nem sempre é este o caso e por vezes é necessário um tratamento.

Sintomas

Após vários anos de infeção, encontramos as seguintes manifestações, que ocasionalmente causam hemorragias ou prurido:

  • Verrugas comuns

São nódulos firmes e arredondados com uma superfície irregular; são de cor cinzenta ou amarelada e medem entre 2 e 10 milímetros. São causados por HPV 1, 2, 4 e 7. Aparecem em áreas sujeitas a traumatismos mecânicos, como os dedos, cotovelos, joelhos ou rosto. 

  • Verrugas palmares e plantares

Apresentam-se como lesões moles, planas ou em relevo e verrugosas. São causadas por infeção com os tipos 1, 2 e 4. Quando pressionadas, causam dor, ou podem sangrar se forem danificados, razão pela qual são fáceis de distinguir dos calos.

  • Verrugas genitais ou das cavidades orais

Estas lesões aparecem na vulva, vagina, colo do útero, ânus, pénis, boca e garganta. Estas são as manifestações causadas pelos tipos de HPV de baixo ou alto risco oncogénico que permanecem nos tecidos e geram verrugas na área de infeção. Variam em tamanho e apresentam uma forma plana, bulbosos ou em forma de couve-flor; podem estar dispersos ou agrupados.

  • Papilomatose respiratória recorrente

É também uma doença em que os HPV 6 e 11 causam tumores benignos nas vias respiratórias, desde o nariz até aos brônquios, mas especialmente na laringe. Podemos vê-lo em crianças que tenham sido infetadas à nascença

  • Lesões malignas

infeções causadas por tipos de HPV de alto risco que persistem durante muitos anos podem causar lesões malignas ou pré-malignas. São geralmente produzidos a partir de células epiteliais escamosas e são chamados carcinomas de células escamosas. Se ocorrerem nas glândulas do colo do útero, estamos perante um adenocarcinoma.

Estima-se a seguinte percentagem de casos em que o HPV é a causa:

  • Colo do útero: 90 %
  • Ânus: 90 %
  • Pénis: 60%
  • Vagina e vulva: 70 %.
  • Orofaringe: 70%

Tratamento

Não existe atualmente nenhum tratamento que possa eliminar esta infeção. O procedimento terapêutico é a remoção de lesões com elevado risco de malignidade. Os exames para detetar o vírus ou alterações celulares devem ser feitos como parte de rotina dos exames ginecológicos regulares.

Falamos do teste HPV, no qual se diagnostica a infeção e se determina se o vírus é de alto risco. O teste Papanicolaou identifica alterações nas células do colo do útero e a sua gravidade.

Se forem encontradas lesões pré-malignas no colo do útero, é utilizado um procedimento de excisão eletrocirúrgica com laço, chamado LEEP, para remover o tecido anormal. Para verrugas na vulva, vagina, ânus e pénis, estão disponíveis tratamentos semelhantes, tais como a laserterapia, cirurgia ou criocirurgia.

  • Produtos coadjuvantes

No tratamento médico de lesões de verrugas ou infeções bacterianas e fúngicas, pode utilizar alguns dos seguintes produtos. Deve ter a aprovação do seu médico e seguir o tratamento prescrito pelo seu médico:

  1. Cápsulas vaginais Donnaplus+ Silveractive

São indicados para infeções causadas por bactérias, cândida ou herpes e para verrugas genitais. Donnaplus+ Silveractive contém ácido hialurónico, que hidrata e acelera o processo de recuperação. As micropartículas de prata contrariam a colonização de microrganismos, e o aloé vera é calmante e anti-inflamatório.

      2. Scholl STOP Verrugas

Este produto utiliza um método de congelação rápida, eficaz para verrugas nos pés e nas mãos. Scholl STOP Verrugas funciona com uma única aplicação e remove a lesão em duas semanas para dar lugar a uma pele regenerada.

      3. Muvagyn Probiótico Vaginal em cápsulas

Esta fórmula ajuda a restaurar a flora vaginal normal, o que previne infeções. As estirpes Lactobacillus gasseri e Lactobacillus rhamnosus de Muvagyn Probiotic Vaginal produzem ácido lático, uma substância que mantém o pH vaginal estável.

       4. Wartner Cryopharma Congela as Verrugas

Esta preparação tem o mesmo mecanismo de congelação que é utilizado na prática médica. Wartner Cryopharma Freeze Warts permite-lhe remover as verrugas de uma forma eficaz e prática, congelando-as até às suas camadas mais profundas. Verá o resultado em duas semanas, e a nova pele terá um aspeto saudável.

Dicas para prevenir o vírus do papiloma humano

Há várias precauções que pode tomar para evitar a infeção. Na Atida | Mifarma a sua saúde é o nosso objetivo e por isso recomendamos as medidas descritas abaixo.

O tratamento preventivo por excelência é a vacina, que deve ser administrada a rapazes e raparigas por volta dos 12 anos de idade. Esta medida previne em grande parte o contágio e a infeção, mas não cura infeções anteriormente adquiridas. Existem três tipos de imunizações, que protegem contra os diferentes tipos de HPV.

  • É muito importante limitar o número de parceiros sexuais numa relação mutuamente monogâmica.
  • Os preservativos de látex reduzem o risco de transmissão do vírus. Lembre-se que o preservativo feminino é outra opção para a proteção sexual.
  • Os exames ginecológicos anuais são a melhor forma de prevenir a progressão de quaisquer lesões na região genital feminina.

Quando precisar de mais informações sobre o vírus do papiloma humano ou qualquer outro tópico que lhe interesse, acompanhe as nossas Redes Sociais, que estão sempre atualizadas. Lembre-se que a prevenção é sempre o melhor, e desfrute da sua nova experiência de saúde e bem-estar com apenas um clique.

Reme Navarro Escrivá

Farmacêutica e Nutricionista. Licenciada em Farmácia na Universidade de Valencia no ano 2007, Licenciada em Nutrição na mesma universidade em 2009. Dedicada ao mundo da saúde e da farmácia há mais de 15 anos. De reunião em reunião, na Atida eu escrevo este blog sobre temas que considero interessantes para a saúde e cuidado pessoal.

0 comentários

Deixa o teu comentário

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *