Sexo durante a gravidez, sim ou não?

,
Sexo durante a gravidez

E, de repente, tem um bebé a caminho. É tudo maravilhoso e expectante. Mas, ao mesmo tempo, não lhe faltam dúvidas. E, entre essas dúvidas, uma das mais comuns entre os casais que vão ser pais pela primeira vez é saber se pode haver sexo durante a gravidez. Como em tudo na vida, cada gravidez é única e cada mulher a vive à sua maneira; não obstante, em linhas gerais, a resposta é sim. A seguir encontrará a resposta a todas as dúvidas que lhe possam surgir.

Posso manter relações sexuais durante a gravidez?

Definitivamente sim. O sexo não só não é contraindicado nesta fase tão doce da vida do casal, como é recomendado sempre que tenha uma gravidez normal e sem problemas. Além do prazer físico em si, ajuda a manter e a consolidar a afetividade entre o casal, já que, apesar de haver um novo membro na família, o homem e a mulher continuam a manter a sua intimidade. De facto, haverá períodos, especialmente no segundo trimestre, em que a libido da mulher aumenta devido ao efeito hormonal. Não apenas isso, mas a sensibilidade também aumenta devido à vascularização da zona genital. Como tal, o sexo durante a gravidez, além de recomendável, pode converter-se numa experiência mais prazerosa do que o habitual.

Podem causar problemas durante a gravidez?

De maneira nenhuma. Se a sua gravidez for saudável e não tiver nenhum tipo de risco, as relações sexuais nunca podem causar problemas. Pelo contrário, só podem trazer benefícios.

Estimulam a circulação sanguínea, o que traz vantagens para a mulher, já que durante esta fase podem aparecer problemas de circulação, como varizes ou hemorroidas, devido ao aumento do volume sanguíneo.

O sexo liberta substâncias como a oxitocina, dopamina ou endorfinas, entre outras, todas elas conhecidas por estar associadas à felicidade e ao bem-estar. Isto traduz-se numa melhoria tanto do estado físico como psicológico da mulher. Além disso, reduz as tensões.

E não há dúvidas de que tudo o que é bom para a mãe é bom para o bebé, pelo que podemos afirmar que as relações sexuais são vantajosas para ele, já que o bem-estar da mãe significa o bem-estar do bebé.

Além disso, o sexo durante a gravidez faz com que a mulher não se considere apenas mãe, mas também amante do seu parceiro, o que mantém a sua autoestima em alta.

O habitual é que o sexo ocorra sem problemas, salvo o desconforto próprio da gravidez. Contudo, em caso de qualquer tipo de problema, dor ou sangramento, não hesite em consultar o seu médico.

Em que casos é que não é seguro praticar relações sexuais?

Em alguns casos, as relações sexuais durante a gravidez não são recomendáveis. São casos em que, devido à natureza da gestação, podem surgir riscos para a mãe ou para o bebé. Aqui estão alguns exemplos:

  • Nos casos em que haja antecedentes de parto prematuro ou que, devido a problemas com o colo do útero, haja risco de ocorrer.
  • Se tiver sido diagnosticada placenta prévia, que é quando a placenta tapa o colo do útero.
  • Em gravidezes gemelares, que, embora decorram sem problemas, pela sua natureza, sejam consideradas gravidezes de risco, recomenda-se a prática de relações sexuais no último trimestre.
  • Se existir produção de líquido amniótico.
  • Perante o risco de aborto espontâneo.
  • Se notar cãibras, sangramento vaginal ou aumento de fluxo.

Nestes casos, evite manter relações sexuais porque podem ser prejudiciais. Mas não se esqueça que o seu especialista de saúde será sempre o que melhor a aconselhará em caso de dúvida.

É necessário usar preservativo?

Depende. O preservativo previne o contágio de doenças sexualmente transmissíveis (DST), pelo que se o seu parceiro sexual é o seu parceiro habitual e sabe que não tem nenhum tipo de infeção, não é necessário utilizá-lo. Se não o utilizaram antes porque hão de utilizar agora?

Contudo, se duvida e acredita que existe um risco mínimo de contágio de alguma DST ou se tem um novo parceiro e desconhece se tem alguma infeção, não arrisque e use preservativo. Evitará surpresas desagradáveis, protegendo a sua saúde e a do bebé.

E não se esqueça que as DST também podem ser transmitidas através do sexo oral e anal. Considere-o também se pensa levar a cabo este tipo de práticas.

Perguntas e preocupações comuns

Até aqui, teve uma explicação geral do que implicam as relações sexuais durante a gravidez, mas existe outro tipo de perguntas mais concretas que talvez se esteja a fazer. Estas são algumas das mais comuns.

Pode ferir o bebé?

A resposta é não. As relações sexuais durante a gravidez não podem ferir o seu bebé. O útero materno é seguramente o local mais cómodo e seguro para o bebé estar durante toda a sua existência. Os músculos uterinos são fortes e, juntamente com o líquido amniótico, protegem o feto. Além disso, temos um muco cervical, que cria um tampão no colo do útero e fecha a porta a possíveis infeções.

Contudo, há algumas práticas sexuais que devemos evitar para eliminar eventuais problemas.

Embora o sexo oral não seja contraindicado, é desaconselhado soprar para dentro da vagina. Isso pode criar uma bolha de ar nos vasos sanguíneos e produzir uma embolia na mulher, o que pode colocar a mãe e o bebé em grave risco.

Também não é boa ideia praticar o sexo vaginal após o sexo anal. Como sabe, o ânus é uma zona repleta de bactérias, pelo que não é recomendável praticar sexo vaginal imediatamente após o sexo anal, devido à infeção que se pode produzir como resultado da transmissão das referidas bactérias. Esta prática é desaconselhável em qualquer circunstância e, mais ainda, no caso de uma gravidez, dado o risco acrescido que pode representar para o feto.

O bebé sofre durante a penetração?

Não. O bebé está perfeitamente protegido. Na verdade, é possível que não sinta nada salvo se os movimentos durante o ato sexual forem muito intensos. Alguns casais temem que o pénis possa alcançar o bebé no momento da penetração, mas tal não podia estar mais longe da realidade. O pénis é introduzido na vagina e não alcança o útero. Além disso, teria de atravessar a barreira do tampão mucoso, pelo que esse risco não existe.

O que, sim, pode acontecer, embora em nenhum caso possa ser considerado sofrimento, é que o bebé sinta o orgasmo da mãe. É um momento em que ocorrem várias contrações na zona, incluindo o útero, pelo que é possível que o bebé sinta alguma pressão, mas de maneira nenhuma se pode considerar que seja prejudicial para o feto. Pelo contrário, pode ser considerado um momento de união maravilhoso em que os três sentem o que é produzido pela conceção.

Qual é a melhor posição?

Para esta pergunta, não há uma ciência exata, e tudo depende dos gostos, situação e habilidade de cada pessoa ou casal. A melhor posição para praticar relações sexuais durante a gravidez será aquela em que ambos e, neste caso, especialmente a mulher grávida, se sentirem confortáveis. O ideal, sobretudo à medida que os meses passam e o volume aumenta, é uma posição que deixe o ventre da mulher desimpedido. Por isso, as posições mais comuns costumam ser a mulher grávida de costas e agachada, sentada na beira da cama ou de pé. Outras opções habituais são colocar-se em cima para que seja ela a controlar a posição do intestino ou, durante os dois primeiros trimestres, e enquanto o volume do ventre não for um problema, a posição de quatro. Contudo, aqui os gostos de cada casal e a imaginação são essenciais. Tudo é válido desde que a mãe se sinta confortável e à vontade. Desta forma, em primeiro lugar, a comunicação é mais importante que nunca.

Como pode ver, a não ser que tenha uma gravidez de risco, as relações sexuais podem ser mais um componente da gestação. Inclusive, podem aumentar a cumplicidade entre o casal, ao estimular a comunicação e criatividade com novas posições ou experiências para as tornar o mais prazerosas possível. Quem sabe descobrem algo novo e se conhecem ainda melhor. Como tal, se planeava ter relações sexuais, não pense duas vezes: faça-o. Não deixe que a paixão se desvaneça, já que daí só pode retirar aspetos positivos.

Além disso, devido às alterações hormonais próprias da gravidez, é possível que não tenha o mesmo apetite sexual que tem normalmente, ou até que desapareça. Assim, nessas fases em que o seu desejo sexual aumenta, aproveite e desfrute do sexo. É mais fácil desfrutar do sexo durante a gravidez do que depois porque, às vezes, após o nascimento do bebé e até que as coisas voltem ao normal, o cansaço e as novidades contínuas eliminam a libido por completo. Não duvide, divirta-se e desfrute.

Reme Navarro Escrivá

Farmacêutica e Nutricionista. Licenciada em Farmácia na Universidade de Valencia no ano 2007, Licenciada em Nutrição na mesma universidade em 2009. Dedicada ao mundo da saúde e da farmácia há mais de 15 anos. De reunião em reunião, na Atida eu escrevo este blog sobre temas que considero interessantes para a saúde e cuidado pessoal.

0 comentários

Deixa o teu comentário

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *