Intolerâncias alimentares mais comuns

,
Intolerâncias alimentares mais comuns

Nos últimos tempos, tem havido uma preocupação crescente com as dificuldades do organismo em processar certos alimentos, que não são bem digeridos ou metabolizados no todo ou em parte. De facto, muitas pessoas sofrem reações alimentares adversas em algum momento das suas vidas, devido a uma variedade de causas. Neste artigo vamos debater as intolerâncias alimentares mais comuns, os tipos em que estão agrupadas e as perturbações que normalmente causam. 

Tipos de intolerância alimentar


Antes de falar sobre os diferentes tipos, queremos deixar claro que não devem ser confundidos com alergias alimentares. As intolerâncias podem causar desconforto grave, tais como náuseas, gases ou cólicas, mas não têm consequências fatais como muitos casos de alergia alimentar

Antes de mais, é importante saber que não são todas iguais e que, dependendo da sua origem, terá de seguir um ou outro tipo de tratamento se sofrer de uma intolerância alimentar. A seguir dizemos-lhe os três tipos, que se distinguem de acordo com a sua origem: 

 

  • As intolerâncias primárias são as que são herdadas. Infelizmente, podem tornar-se mais graves ao longo dos anos e aparecer em qualquer idade. Não existe uma cura completa. 
  • As intolerâncias secundárias não ocorrem por qualquer razão relacionada com fatores genéticos, e podem ser revertidas atacando a raiz do problema. Se sofrer deste tipo de problema alimentar, pode, com a dieta correta, ajudar a membrana mucosa do intestino a recuperar a sua saúde num curto espaço de tempo. 
  • As deficiências congénitas são intolerâncias semelhantes às do primeiro grupo, mas neste caso, o problema de alimentação ocorre desde o nascimento. Não são as mais comuns, mas há muitas pessoas que sofrem com elas. 

 

Intolerância à lactose

 

É um dos mais comuns e, de facto, tem havido numerosos estudos, como este da Associação Espanhola de Intolerantes à Lactose, que mostram que uma elevada percentagem da população mundial não produz lactase suficiente. A lactase é a enzima que decompõe a lactose, o açúcar do leite, de modo a que possa ser absorvida na corrente sanguínea sem problemas. Precisamente quando esta enzima não está disponível na quantidade que o corpo necessita, ou não funciona corretamente, o problema resultante é que a própria lactose passa diretamente para o intestino grosso. Fermenta aí e causa dor, gases ou mesmo diarreia. 

Algumas pessoas, ao sentir esse desconforto, começam a tomar consciência da sua intolerância à lactose quando bebem leite ou outros produtos lácteos. No entanto, em casos mais ligeiros, podem ser consumidos iogurtes ou queijo curado, pois estes alimentos contêm muito pouca lactose e não causam tais reações. 

À medida que envelhecemos, a produção de lactase torna-se cada vez menor, como indica este artigo do El País sobre o aumento da intolerância à lactose com a idade. Por esta razão, muitas pessoas começam a sofrer desta intolerância na idade adulta. 

 

Intolerância ao glúten 


O problema deriva dos danos que o glúten causa à mucosa do intestino, porque impede o intestino de absorver adequadamente os nutrientes dos alimentos. Como resultado, esta intolerância pode levar à desnutrição, especialmente em crianças pequenas. 

A forma de evitar o desconforto causado é simplesmente não consumir esta proteína, ou seja, glúten. Isto permitirá a regeneração da mucosa sem quaisquer problemas e todos os sintomas associados desaparecerão. 

Muitas pessoas desconhecem que sofrem desta doença porque pensam que o desconforto está relacionado com outros problemas e, por isso, não foi diagnosticado por um especialista. A nossa recomendação é observar como se sente depois de comer determinados alimentos. Se ingerir qualquer ingrediente com glúten e começar a sentir desconforto em diferentes ocasiões, vá ao seu médico e pergunte-lhe sobre a possibilidade de sofrer de doença celíaca e como seguir uma dieta sem glúten.

Se tiver bebés com estado celíaco, deve saber que há muitos produtos disponíveis no mercado, tais como os cereais Almiron ADVANCE sem glúten, para que a sua alimentação não seja afetada por esta intolerância. 


Intolerância à frutose


Embora esta seja a menos conhecida das intolerâncias alimentares mais comuns, é também importante estar consciente da sua existência. Neste caso, o sistema digestivo é incapaz de descompor a frutose, um açúcar natural encontrado principalmente na fruta, e absorvê-la adequadamente. 

As pessoas que têm este problema com a frutose devem, evidentemente, evitar a ingestão de frutose. Isto inclui, por exemplo, alimentos com adição de açúcar e fruta muito madura. Os sintomas comuns incluem náuseas e vómitos, arrotos, gases, diarreia ou, inversamente, obstipação. 


Intolerância à sacarose


A sacarose é o açúcar que conhecemos como açúcar e que está normalmente incluído na maioria dos alimentos doces para os tornar mais apelativos para o paladar. As pessoas que são intolerantes a este açúcar têm o problema de os seus corpos não produzirem a enzima necessária para o digerir. Portanto, se este for o seu caso, deve evitar todos os produtos de confeitaria e alimentos que contenham açúcar convencional. 

No entanto, não queremos que pense que já não pode ter nada doce, pois existem muitas alternativas que nos ajudam a substituir o açúcar na nossa vida diária. Entre estes, existem alguns em formatos muito semelhantes aos do açúcar convencional, como este.

açúcar de bétula (xilitol) de El Granero Integral, que irá adoçar as suas receitas sem prejudicar o seu corpo. 


Intolerância à histamina (Deficiência DAO)


Nas intolerâncias das quais já falámos, vimos que os problemas derivam dos alimentos que comemos. No caso de deficiência de DAO ou intolerância à histamina, para além de ser uma substância encontrada em alguns alimentos, é também produzida pelo nosso próprio organismo.

Em geral, temos normalmente uma enzima que metaboliza a histamina quando esta se acumula: a diamina oxidase (DAO). As pessoas que são intolerantes à histamina não produzem quantidade suficiente desta enzima para a dissolver e, além de ser tóxica, pode facilmente causar problemas alimentares.


Sintomas gerais causados pelas intolerâncias alimentares mais conhecidas.

 

Como já dissemos anteriormente, e como vimos de diferentes pessoas que nos pedem conselhos na MiFarma by Atida, muitas pessoas não imaginam que possam ter uma intolerância alimentar. Por vezes não se apercebem de que sofrem de desconforto com um determinado tipo de alimento até que isso aconteça de forma intensa ou muito frequente. O resultado é que prolongam a situação muito desconfortável que sofrem desnecessariamente.

Para o caso de ter uma intolerância, é importante que tenha alguma informação útil sobre os sintomas mais comuns destas perturbações, para que as possa controlar rapidamente. Por esta razão, nas linhas que se seguem, descriminamos os mais comum de alguns dos tipos de intolerância alimentar mencionados:

 

  • Problemas digestivos tais como vómitos, obstipação, inchaço, dores de estômago, gases, etc. são comuns. 
  • O aumento de peso sem razão aparente ou mesmo quando se segue uma dieta equilibrada também pode ser outro sintoma que nos alerta para alimentos que não estão a ser processados corretamente pelo organismo.
  • As doenças de pele podem também indicar que o corpo não está a assimilar bem certos alimentos e, em alguns casos, pode ocorrer comichão, erupções cutâneas ou urticária, entre outras condições.
  • Os problemas associados ao sistema nervoso são também outro sintoma que pode indicar que algo está errado. Se tiver dores de cabeça fortes, enxaquecas, tonturas ou vertigens ao comer um determinado alimento, consulte um especialista o mais rapidamente possível. 
  • Outro sinal a ter em conta é o desconforto nos músculos. Já sabe que uma intolerância alimentar pode fazer com que o seu corpo não absorva adequadamente os nutrientes de que necessita e, como resultado, há uma sensação constante de cansaço, dores musculares ou articulares, etc. 
  • Os problemas respiratórios são por vezes também a causa destas intolerâncias alimentares. Se comer um alimento e tiver dificuldades respiratórias ou causar asma ou sinusite, como acontece com todos os outros sintomas, deve consultar um médico para um diagnóstico profissional.


Lembre-se de observar as reações do seu corpo a certos alimentos e, se possível, escreva-as para manter um registo detalhado. Diante de qualquer transtorno que apareça, ou dúvida que pretenda resolver, é importante que consulte o seu médico o mais cedo possível para que ele possa determinar se tem ou não uma intolerância. O seu médico poderá dar-lhe as recomendações necessárias para evitar desconforto, bem como aconselhá-lo sobre o tipo de dieta que deve seguir. 

Em conclusão, as intolerâncias alimentares mais comuns podem ser detetadas pelos sintomas que produzem, embora seja sempre importante consultar um especialista. Se sofrer de qualquer intolerância, lembre-se que na MiFarma by Atida lhe oferecemos alternativas e suplementos alimentares que o ajudarão a seguir uma dieta saudável de acordo com as suas necessidades.

Reme Navarro Escrivá

Farmacêutica e Nutricionista. Licenciada em Farmácia na Universidade de Valencia no ano 2007, Licenciada em Nutrição na mesma universidade em 2009. Dedicada ao mundo da saúde e da farmácia há mais de 15 anos. De reunião em reunião, na Atida eu escrevo este blog sobre temas que considero interessantes para a saúde e cuidado pessoal.

0 comentários

Deixa o teu comentário

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *