VIH: o que é, sintomas e prevenção da SIDA

VIH Sida Mifarma

No dia 1 de dezembro, comemora-se o Dia Mundial de Luta contra a Sida, uma doença crónica resultante do VIH que pode ser fatal. Aproximadamente 37 milhões de pessoas vivem com a doença.

Já todos nós ouvimos falar do VIH e da SIDA, mas há quem ainda não tenha certeza do que é, como é transmitido e quais os seus sintomas. O que geralmente se sabe é que ela é transmitida sexualmente, pelo que as pessoas sexualmente ativas devem ter um cuidado redobrado e seguir as devidas medidas de prevenção para reduzir o risco de infeção pelo VIH.

Este vírus pode destruir lentamente as células do sistema imunitário. Assim, com um sistema imunitário sem defesas, prejudicar-se-á a capacidade do corpo de lutar contra doenças e infeções.

Em Mifarma, queremos ajudar na sensibilização para esta doença e, sobretudo, na compreensão das medidas de prevenção adequadas. Continua a ler o nosso artigo!

O que é o VIH? 

O VIH é um vírus que fragiliza as células T do sistema imunitário, responsáveis ​​por proteger o corpo quando ele tiver qualquer tipo de infeção. Desta forma, se contraíres essa doença, poderás padecer de infeções graves que poderão causar, inclusive, a morte.

Uma das principais diferenças que existe em relação a outros vírus é que o VIH permanece latente no organismo, pelo que, se fores infetado(a), já não será possível eliminá-lo.

Como consequência da presença do VIH em estado avançado, ocorre a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida ou SIDA. Assim, SIDA e VIH não são a mesma coisa e existem pessoas que têm VIH, mas não têm SIDA.

Como é transmitido o vírus?

A transmissão do VIH ocorre por meio do uso de drogas injetáveis ​​ou relações sexuais. Além disso, o vírus só é transmitido através de certos fluidos corporais de pessoas que o têm (leite materno, secreções vaginais, secreções do ânus, líquido pré-ejaculatório, sémen e sangue).

Por outro lado, para que a transmissão do vírus seja possível, os referidos fluidos devem entrar em contacto com um tecido lesionado, membrana mucosa (boca, orifício do pénis, vagina e interior do ânus) ou entrar no corpo de alguma forma, como pode acontecer ao compartilhar seringas ou agulhas.

As formas mais habituais de transmissão são:

  1. Partilhar agulhas e seringas com alguém que tenha VIH (isso é comum entre pessoas que injetam drogas).
  2. Fazer sexo oral, vaginal ou anal com alguém que tenha VIH sem usar medidas de prevenção (preservativos ou os medicamentos certos para tratar ou prevenir o VIH).
  3. Durante a gravidez, parto ou através do leite materno, quando a mãe é VIH positiva. Para reduzir significativamente esse risco de transmissão de mãe para filho, as mães recebem tratamento específico.
  4. Por transfusões de sangue, embora não seja habitual e o risco seja baixo, pois os bancos de sangue realizam exames e tomam todas as medidas de precaução ao seu dispor.

De que forma não se transmite o VIH?

Não serás infetado(a) através de contactos ocasionais, como um aperto de mão, um beijo de boca fechada, um abraço ou uma dança. Também não serás infetado(a) se comeres do prato da pessoa infetada, tocares em maçanetas ou partilhares a casa de banho, nomeadamente a sanita, com outra pessoa infetada.

Além disso, o VIH não é transmitido por picadas de insetos, água ou ar.

Sintomas do VIH

Por norma, as pessoas com VIH não apresentam sintomas de forma imediata. Isso significa que pode levar anos até que o vírus se manifeste e até a pessoa infetada se aperceber de que o tem.

De facto, para diagnosticar o vírus, é preciso fazer uma análise ao sangue, mas os anticorpos só aparecem dois ou três meses após a infeção. Como tal, para que o teste seja totalmente confiável, será necessário esperar todo esse tempo e, assim, descartar falsos negativos.

Quais são os primeiros sintomas do VIH?

A infeção pode demorar 10 anos até manifestar-se, mas, se também tomas medicamentos antivirais, pode demorar muito mais. Esta é uma das razões pelas quais é aconselhável fazer regularmente testes de VIH, especialmente se já passaste por situações de risco, como partilhar agulhas ou ter relações sexuais desprotegidas com um parceiro instável.

Entre as primeiras 2 a 4 semanas após contrair o VIH, podes sentir desconforto, dor e uma febre ligeira. Como podes ver, são sintomas muito semelhantes aos da gripe. Durante esta fase, o vírus estará altamente concentrado no teu organismo, por isso será muito fácil transmiti-lo.

Após essas primeiras semanas, os sintomas desaparecerão e poderá levar vários anos para reapareçam. Lembra-te de que, se tiveres VIH, tenhas ou não sintomas, poderás sempre transmiti-lo a outras pessoas.

Outros sintomas do VIH

Como já referimos, esse vírus tem a capacidade de destruir células T, por isso, o teu organismo não terá a capacidade de combater doenças. Essa vulnerabilidade torna-te mais propício a sofrer de doenças graves que, à partida, seriam praticamente inofensivas.

O passar do tempo e a ação do VIH no teu sistema imunitário acabam por causar SIDA e, consequentemente, terás infeções esporádicas ou raras. Para que isso aconteça, pelo menos uma década terá que passar sem que sigas nenhum tratamento, pois com o tratamento correto, o aparecimento da SIDA pode atrasar-se muito mais.

Ainda assim, existem indícios que indicam o aparecimento da SIDA. Alguns dos sinais são aftas, infeções fúngicas graves ou outras causas, cansaço persistente, tonturas, doença inflamatória pélvica crónica, dor de cabeça ou dor de garganta, perda súbita de peso, febre, diarreia, glândulas inchadas, erupção cutânea, hematoma repentino, perda de força muscular, saliências arroxeadas na boca ou pele e sangramento da vagina, ânus, nariz ou boca.

Como se pode prevenir ou reduzir o risco de infeção por VIH? 

Algumas das medidas que podes seguir para evitar a infeção pelo VIH incluem:

  1. Conversar com o teu parceiro para que ambos façam o teste de VIH antes de terem relações sexuais.
  2. Ter comportamentos sexuais de baixo risco sempre utilizando preservativo.
  3. Limitar o número de parceiros sexuais. Quanto menor a exposição, menor o risco.
  4. Conversar com profissionais de saúde especializados sobre a profilaxia pré-exposição, caso haja alto risco de contraí-la.
  5. Não injetar drogas e, se o fizeres, tenta usar equipamento esterilizado e não o partilhes com outras pessoas.

Como viver com o VIH?

As pessoas VIH + devem ter hábitos de vida saudáveis ​​que as ajudem a evitar outros tipos de infeções. Alguns desses hábitos são:

  • Estar em dia com o calendário de vacinação.
  • Evitar o contacto com pessoas que tenham infeções agudas ativas.
  • Lavar frequentemente as mãos, principalmente quando houver situações com maior probabilidade de contaminação.
  • Praticar exercício físico e não consumir drogas ou tabaco.

O segredo para manteres-te seguro(a) é ter uma vida saudável e equilibrada. Desta forma, e seguindo os conselhos que oferecemos em Mifarma, minimizarás o risco de seres infetado pelo vírus VIH.

Reme Navarro Escrivá

Farmacêutica e Nutricionista. Licenciada em Farmácia na Universidade de Valencia no ano 2007, Licenciada em Nutrição na mesma universidade em 2009. Dedicada ao mundo da saúde e da farmácia há mais de 15 anos. De reunião em reunião, na Atida eu escrevo este blog sobre temas que considero interessantes para a saúde e cuidado pessoal.

0 comentários

Deixa o teu comentário

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *